Nova semana, nova modalidade. Desta vez vamos ao basquetebol feminino, no caso vamos ao lançamento dos Playoffs da Liga Skoy, uma liga que pautou pela qualidade do basquetebol e pelo equilíbrio.

 

União Sportiva vs Guifões SC

Este duelo vai marcar o confronto entre as vencedoras da fase regular e a equipa que conseguiu o oitavo posto. Podemos esperar um duelo em que o Sportiva é favorito, mas que vai estar longe de ser fácil. Muita luta e vamos então perceber porquê ao falar de cada uma das equipas.

União Sportiva

As Açoreanas venceram a fase regular, foram das equipas que foi mostrando melhor basquetebol e maior consistência. Foram apenas 4 derrotas e das 22 vitórias, 15 foram por 10 ou mais pontos. Foram demonstrando muita qualidade, acabaram como a segunda equipa com mais pontos (1654) e a equipa com mais triplos (170) sendo que foram a segunda equipa que mais lançou da linha de três pontos, foram 490 lançamentos (35% de acerto), apenas o AD Vagos lançou mais vezes (508). Uma equipa sem a profundidade de outras equipas, com jovens e que no garrafão não tem o poderio de outras equipas, mesmo assim foram a quarta equipa com mais ressaltos (942) e muito pelos ressaltos ofensivos onde foram a segunda melhor equipa (311). Tudo prova da força desta equipa, que mostrou desde cedo bom basquetebol e muita qualidade, fruto do ótimo trabalho de Ricardo Botelho e de algumas das melhores jogadoras da Liga, como a Nausia Woolfolk, a Gabriela Guimarães, a Emília Ferreira e principalmente a Raquel Laneiro. Além destas jogadoras como a Vânia Sengo, a Ana Ramos, a Aliyah Mazyok e a jovem Inês Bettencourt.

O grande destaque dado à Raquel Laneiro, é porque falo de uma das melhores jogadoras da Liga Skoiy. A Raquel é uma base de 20 anos, mas que joga como se já fosse mais velha, muita qualidade e falamos da segunda melhor jogadora da linha de 3 pontos (44%) e a quarta jogadora com mais assistências (76 com média de 3.8), além disso é uma jogadora que brilha com a bola na mão, joga e faz jogar como poucas jogadoras.


Já a equipa de Matosinhos, nem sempre conseguiu mostrar tudo o que valem e toda a sua qualidade, além de que foram sentindo problemas em vários momentos ao longo da temporada. Foram, curiosamente a oitava equipa com mais pontos (1363), na linha de três pontos conseguiram ser a quarta melhor equipa (30 %) sendo que acertaram 119 em 402 tentados, ou seja, marcaram mais, lançando menos porque foram apenas a oitava equipa que mais lançou da linha de três pontos. Este Guifões foi a equipa que mais faltas sofreu (388). Uma equipa muito jovem e onde se destacaram jogadoras como a Taneka Rubin, a Tylinn Carter, Myriam Ackermann e jovens como a Mariana Teixeira ou a Inês Vieira, mas o grande destaque neste Guifões foi a jovem base, Filipa Barros de apenas 17 anos. A Filipa terminou a fase regular com 255 pontos dos 1363 pontos do Guifões, além de 75 assistências que fizeram dela a sexta jogadora com mais assistências da fase regular. Os 39% da linha de três pontos e todos os números demonstram bem o nível de jogo da Filipa.

SL Benfica vs AD Vagos

Duelo que vai colocar frente a frente as segundas classificadas e as sétimas, um duelo que nos vai dar bom basquetebol e uma grande disputa. Vagos foi sendo menos regular, mas estas duas equipas sempre que se enfrentaram deram bons espetáculos de basquetebol e além disso o Vagos venceu os dois confrontos, por isso vamos entender melhor cada uma das equipas.

 

SL Benfica

O Benfica terminou a fase regular em segundo lugar, mas empatadas com a União Sportiva, foi o confronto favorável às Açoreanas que fez a diferença. O que salta mais à vista nesta equipa, é a mudança que existiu, passaram a ser uma das equipas mais fortes da Liga Skoiy e isso não é apenas pela qualidade das jogadoras, mas pelo ótimo trabalho de Eugénio Rodrigues. O Benfica apenas perdeu por 4 vezes, sendo que duas delas foram frente a este mesmo Vagos. Depois este Benfica foi a equipa que mais pontuou (1682), depois foi a melhor equipa no que diz respeito aos lançamentos de campo (51%) sendo a equipa que mais lançou (1073), foram ainda a equipa com mais assistências (393). Equipa com o jogo interior muito forte, prova disso os 943 ressaltos totais que fizeram deste Benfica a terceira equipa com mais ressaltos. Desses 943, 654 foram ressaltos defensivos que fizeram deste Benfica a terceira melhor equipa neste aspeto e depois foram 289 ressaltos ofensivos que fizeram das encarnadas a quarta melhor equipa neste ponto. Sem a capacidade de tiro exterior que outras equipas apresentam, mas com um coletivo muito forte e muito bem trabalhado. São várias jogadoras em destaque nesta equipa, como a Japonica James, a Altia Anderson, a Lara Ferreira ou a Ana Barreto, uma das jovens revelações desta temporada.

Como maior destaque, escolho a Joana Soeiro, jogadora com muita qualidade, das melhores jogadoras desta liga e que além disso é ainda a segunda jogadora com mais assistências na Liga Skoiy (91) e que nesta fase regular conta com 51% na linha de três pontos.

AD Vagos

No Vagos, temos uma equipa forte, que foi sentindo alguns problemas, principalmente nos duelos das tabelas, basta ver que são apenas a 9ª equipa com mais ressaltos e isso em alguns duelos com equipas que ficaram acima na tabela foi muito evidente, principalmente nos ressaltos ofensivos onde foram apenas a 10ª melhor equipa com 224 ressaltos ofensivos. Foi uma equipa que não foi conseguindo ser regular, mas que acaba por ser a única que conseguiu vencer o Benfica por duas vezes. Destacar que das 12 derrotas, 6 foram por números próximos, jogos em que a equipa lutou e acaba por perder, mas sem uma grande desvantagem. O Vagos foi ainda a equipa que mais lançou da linha de três pontos (508) e muito por culpa da Chelsie Schweers, que foi a jogadora com mais triplos tentados (167) na Liga Skoiy. A Chelsie foi ainda a jogadora que somou mais pontos nesta fase regular (436). Além da Chelsie que foi a maior figura, eu destaco ainda a Susana Carvalheiro que é uma das melhores postes da Liga e uma das melhores postes portuguesas. Depois, destaco ainda a Joana Canastra e a Bruna Zagario.

 

Quinta dos Lombos vs CAB Madeira

Aqui, falamos do duelo entre as terceiras e sextas classificadas, duas equipas fortes, que foram jogando muito bem e no caso do CAB, com uma superação extra porque foram a equipa mais marcada pelo Covid e as paragens. De um lado um maior leque de soluções, do outro um peso maior em cima de alguns elementos, de um lado um jogo interior forte do outro alguns problemas nesse aspeto, por isso vamos ficar a conhecer cada uma das equipas.

Quinta dos Lombos

Uma das equipas maios fortes, com mais soluções e uma das que foi jogando melhor. José Leite é um treinador já conhecido pelos ótimos trabalhos e voltou a mostrar nestes Lombos novamente o porquê de ser tão elogiado. Esta equipa dos Lombos, foi a equipa com mais ressaltos conquistados (1033), revelando ai uma das suas armas, uma grande  capacidade e superioridade nestes duelos das tabelas. Em relação aos ressaltos, foram a equipa com mais ressaltos ofensivos (366) e a 2ª com mais ressaltos defensivos (667). Foram a 6ª melhor equipa em relação aos lançamentos de campo (45%) sendo que foram a 2ª equipa que mais lançou (1018). Curiosamente, uma das 6 derrotas foi frente a este CAB, um duelo muito disputado e que terminou num 82-81. Numa equipa tão forte, é difícil escolher apenas algumas, mas os maiores destaques foram jogadoras como a Leonor Paisana, a Jade Phillips, a Ndioma Kane e a Carolina Cruz. A jogadora em maior destaque foi a Raphaella Monteiro, para mim pela regularidade e pelo que jogou a melhor jogadora da fase regular. A 6ª jogadora com mais pontos (329), uma jogadora com 54% nos lançamentos de campo e 30% na linha de três pontos e foi ainda a quinta jogadora que mais assistiu na fase regular (71).

https://twitter.com/VecchiLeandro/status/1375098191159427079

CAB Madeira

Equipa marcada pela pandemia, teve de jogar em casa emprestada e que foi obrigada a jogar um maior número de jogos em menos tempo, mas que mesmo assim conseguiu ser a 6ª melhor equipa nesta fase regular. Uma equipa sem o número de opções dos Lombos e muito assente em 4 jogadoras que têm um peso enorme na equipa, no caso a Jelena Nikpaljevic, a Nike Mcclure, a Paige Cannon e a Carolina Bernardeco. Este CAB foi a 3ª equipa que mais pontuou nesta liga Skoiy (1554), foi a 3ª melhor equipa na linha de três pontos (32%), sendo que foi apenas a 7ª equipa que mais lançou da linha de três pontos (426). Uma equipa muito forte na luta das tabelas, a prova disso está nos 958 ressaltos que fizeram do CAB a 2ª equipa com mais ressaltos, sendo deles 683 defensivos, tornando a equipa com mais ressaltos ofensivos e “apenas” 275 ofensivos, sendo assim a 5ª melhor equipa nesse ponto. O CAB é ainda a 2ª equipa com mais assistências (385) e muito pela Carolina Bernardeco, que foi a jogadora que mais assistiu na fase regular (107), a Carolina é o destaque desta equipa para mim, pela importância que tem no jogo, se jogadoras como a Paige se conseguiram evidenciar, foi muito pela qualidade da Carolina que sabe tratar muito bem a bola, que gere e cria como poucas jogadoras.

Vitória SC vs GDESSA

Por fim o duelo entre as quartas e quintas classificadas, duas equipas que apresentaram basquetebol de excelência e com formas de jogar diferentes. O GDESSA com muita força e altura para a luta das tabelas e um Vitória que sofre mais nesses duelos, de um lado uma Márcia Robalo em excelente forma e do outro um coletivo que trata muito bem a bola, vamos então conhecer estas duas equipas

Vitória SC

A equipa de Rui Costa, foi uma das revelações desta edição, uma equipa que aposta no bom basquetebol, que troca e joga muito bem. O Vitória foi das equipas que melhor soube ultrapassar a questão da pandemia, mérito de Rui Costa que foi gerindo as jogadoras que tinha à sua disposição da melhor maneira e soube retirar o melhor de cada uma delas. Falamos de uma equipa com alguns problemas na luta das tabelas e isso vai ser um problema no confronto com o GDESSA, mas Rui Costa também já mostrou a sua capacidade de contornar isso. Equipa menos forte fisicamente, mas que sabe usar as suas armas, como acontece nos triplos onde foram a 2ª melhor equipa com 152 (35%) sendo a 2ª equipa que mais lançou da linha de 3 pontos (440). Percebemos o problema na luta das tabelas, quando esta equipa foi apenas a 11ª melhor com 785 ressaltos e sofrendo em alguns jogos por esse motivo. Nos destaques individuais, temos a Sara Ressurreição, Luiana Livulo, Tatiane Pacheco e a Alexy Mollenhauer como os maiores, sendo que eu coloco a Catarina Mateus como a peça em maior evidência com 210 pontos, 49% nos lançamentos de campo, 38 % na linha de três pontos e ainda 65 assistências.

GDESSA

O GDESSA, foi uma equipa em destaque. Márcia Robalo foi uma das melhores jogadoras da fase regular, foi uma jogadora que nunca falhou e nunca comprometeu a equipa, mas além dela a dupla de postes a Jennifer Nonato e a Aline Moura foi preponderante nesta equipa. O jogo da equipa orientada por Miguel Minhava, tinha nesta dupla de jogadoras a zona mais forte, isto porque elas dominavam na luta das tabelas e deram a esta equipa muita competência e força no jogo interior, que foi sendo sempre o ponto mais forte da equipa. Uma equipa que tem na Márcia o elemento fundamental, não só pelo que ela joga, mas também pela preponderância que tem no grupo. Jogadoras como a Maianca Umabano, a Beatriz e a Leonor Serralheiro, ou como a Catarina Costa foram sempre muito importantes, mas a verdade é que Márcia Robalo se assume como a estrela da equipa e uma das estrelas da Liga Skoiy. A Márcia conseguiu 297 pontos, foi a 10ª jogadora com mais pontos, com 44% em lançamentos de campo e 36% na linha de três pontos. Conseguiu ainda 77 ressaltos e 61 assistência.

 

Ficamos assim a conhecer um pouco mais de cada uma das equipas e com isso cada um dos duelos foi lançado da melhor maneira. Podemos esperar grandes confrontos, bons jogos, muita qualidade e duelos que vão ficar na memória de todos. Venham os jogos!!