Ser treinadora de formação é mais que apenas ensinar uma modalidade. É ensinar crianças e jovens na fase mais importante do desenvolvimento das suas personalidades e é importante ter noção que iremos influenciar drasticamente as nossas atletas.

Enquanto treinadora de andebol feminino de formação, cedo percebi que a minha missão ia para além de treinar jovens atletas para a modalidade, mas que iria também ser criar mulheres de futuro.

Em Portugal as perspetivas de futuro profissional no desporto, especialmente no género feminino são apenas miragens que parecem impossíveis. No entanto cabe-nos a nós treinadores de formação mudar a mentalidade das jovens atletas e fazê-las sonhar com voos mais altos. Trabalhar para serem elas a abrir caminhos de futuro, para que sejam elas a tornar possível o que antes era inalcançável. No projeto que estou à cerca de 6/7 anos essa foi a minha missão: mudar mentalidades, torná-las capazes de sonhar e dotá-las de competências na modalidade que as pudessem ser competentes dentro de campo.

Meu maior foco quanto ao que a modalidade pede é ensina-las a terem a melhor tomada de decisão.

Para mim uma atleta de andebol deve ser inteligente e ter a capacidade de decidir em poucos segundos a melhor opção para resolver os problemas que cada momento do jogo nos coloca. Como tal, ensinar na formação não deve focar-se no imediato mas sim dar-lhes ferramentas técnicas e táticas suficientes para tomar a decisão correta que o momento de jogo pede.

Os recursos que temos ao nosso dispor são normalmente escassos. Falo de recursos humanos, materiais e, claro, financeiros. Não há patrocinadores em grande número, os espaços de pavilhão que temos são poucos para dividir por todos os escalões e faltam-nos outras infraestruturas/instalações associadas ao pavilhão, como sendo ginásio de musculação ou salas de fisioterapia equipadas. No entanto, e mesmo com estas limitações nunca devemos apenas focar-nos nesses pontos mais negativos, mas sim lembrar-nos que nós podemos ser o motor da mudança.

Esta é sem dúvida a forma como ensino às atletas de formação: aliar o ensino do andebol com o ensino de competências de mulheres capazes de lutar pelos seus sonhos e capazes de mudar o futuro.

Ana Maria Carvalho, PhD                  

Andebol | Handball