Dia 15 de abril vai marcar o dia do draft da WNBA, onde ficamos a conhecer quem são os próximos grandes talentos que vão marcar a 25ª época de WNBA e as seguintes. Por isso, vamos aqui abordar alguns dos maiores talentos que vão estar neste draft.

 

Charli Collier

Aqui um dos muitos exemplos do que a Charli é capaz.

Aquela que é apontada como a mais talentosa deste draft e desde cedo que se fala que vai ser a escolha número 1 desde março, quando se declarou ao draft deste ano! Falamos de uma jogadora que pode jogar a 5 ou a 4, uma jogadora que foi preponderante no Texas e que além da sua capacidade de jogo interior, de lançamento de meia distância, ainda conseguiu melhorar no tiro exterior. Olhando para os números podemos perceber ainda melhor a sua evolução, em 2019-2020 somou 13.1 pontos e 10.5 ressaltos por jogo e este ano somou 30.3 pontos e 12.0 ressaltos por jogo, a evolução e o crescimento são evidentes. Uma poste com um footwork incrível, que cria muito e que com a sua evolução no jogo exterior consegue ser cada vez mais imparável.

Awak Kuier

Uma das mais novas deste draft, tem apenas 19 anos, esta extremo finlandesa e é a jogadora mais habilidosa deste draft, a jogadora que para mim é a mais talentosa da edição do draft deste ano. É uma jogadora que pode jogar a 3 ou a 4, mas ao longo da carreira dela foi jogando em todas as posições, isto porque é uma jogadora versátil e capaz de render. É uma jogadora alta, mas “leve” e essa é uma das questões que muito analistas colocam. Uma jogadora que consegue afundar, que lança muito bem da linha de três pontos, que consegue criar e que tem muitas cartas na manga quando falamos de habilidade com a bola. É um talento enorme, que cresceu a moldar o seu jogo na lenda Candace Parker e isso faz-se notar no seu jogo atualmente. Vai ser a primeira finlandesa a jogar na WNBA e até por isso vai entrar a fazer história.

Aari McDonald

Esta base é uma das jogadoras mais desvalorizadas deste draft, isto porque tem vindo a cair ao longo dos meses, estava projetada como 2ª/3ª escolha e neste momento é apontada como a 8ª/9ª escolha. Falamos de uma scorer, é uma jogadora com uma grande capacidade ofensiva e que defender muito bem como se viu no fantástico torneio NCAA que ela fez. Uma jogadora que mostrou capacidade para assumir o peso do jogo como se viu com as Wildcats. Seria em circunstâncias normais uma das 5 primeiras escolhas.

 

Arella Guirantes

Uma base que tem vindo a subir e passou de 9ª/10ª para uma possível 3ª escolha, isto porque as Chicago Sky precisam de uma base e a melhor deste draft é a Arella, principalmente quando as Sky procuram uma alternativa à Courtney Vandersloot e a Arella é a suplente ideal até porque é uma atiradora de excelência, que pode sempre saltar do banco e mexer muito com o jogo. A Arella esta época somou 21.3 pontos por jogo, cresceu e mostrou que é mais que apenas uma atiradora.

Tiana Mangakahia

Passamos para a jogadora mais velha deste draft, têm 25 anos é uma segunda base que chega a este draft como a jogadora com mais assistências na história de Syracuse e tornou-se uma das maiores estrelas em Syracuse, pelo que foi jogando, mas porque falamos de uma jogadora que venceu o cancro da mama, que lutou e tornou-se um exemplo para todos. Uma jogadora que não é apontada pela maioria como alguém que vá ser umas das primeiras escolhas, mas que acredito que até por isso vá surpreender muita gente. Ela está no topo das assistências deste draft, mesmo tendo jogado apenas 3 épocas contra as 4 da maioria. É uma jogadora que sabe ter a bola nas mãos, cria e tem habilidade, é uma jogadora de fazer jogar e que tem uma leitura de jogo brutal! A australiana é uma das jogadoras que mais vai surpreender assim que começar a jogar.

Rennia Davis

Aqui falamos de uma jogadora que pode jogar a 2 ou a 3, uma jogadora que liderou Tennessee para uma época acima das expetativas. Uma das extremos mais versáteis deste draft, rende nos dois lados da quadra. Ela é apontada às primeiras posições do draft pela capacidade de defender várias posições, pela segurança que dá. É uma jogadora muito móvel, muito rápida e que consegue defender jogadoras mais altas. Total noção defensiva e do que fazer nesse momento de jogo. Depois é ainda uma jogadora muito eficiente na área pintada. Uma jogadora aguerrida nos dois lados da quadra, não teme o confronto físico e por isso mesmo está numa posição tão elevada nas escolhas do draft.

Natasha Mack

Passando para a Natasha Mack, falamos da melhor defesa deste draft. Foi a considerada a defensora do ano na primeira divisão da WBCA NCAA. Para se ter noção este ano liderou a nível nacional com 4.0 desarmes de lançamento por jogo e foi a quarta melhor a nível nacional na questão dos ressaltos com 9.2 por jogo. Foram 19 duplos-duplos. Uma jogadora que como se percebe defende muito bem, que lança bem e que evita o confronto físico. Não é apenas uma jogadora alta, com braços longos é uma jogadora que tem uma boa técnica de lançamento e nas Oklahoma State Cowgirls, 48.2 das shooting possessions vinham dela. Era a melhor jogadora em Oklahoma, foi uma das mais regulares a nível nacional e tem tudo para começar a mostrar serviço desde cedo.

Shyla Heal

Agora Shyla Heal, uma base australiana que é uma das mais jovens neste draft, tem apenas 19 anos. Foi a melhor jovem jogadora na liga australiana e registou médias de 25.3 pontos e 7.3 assistências por jogo em Townsville Fire. Uma das curiosidades, é que a Shyla é filha de Shane Heal um base que passou pelos Minnesota Timberwolves, é ainda mais curioso porque se fala que a Shyla vai ser uma das escolhas das Minnesota Lynx. Falamos de uma jogadora que joga bem com as duas mãos, que tem muita habilidade, muita técnica, é aquela jogadora que levanta o público com os malabarismos que consegue fazer.

 

Chelsea Dungee

Chegamos a mais uma jogadora com números impressionantes, a Chelsea é uma base que esteve em Arkansas, com médias de 22.3 pontos, 3.9 ressaltos, 1.5 assistências, 1.5 roubos de bola, em 32.3 minutos de média por jogo. (42.4 FG %, 38.7 3FG %, 79.0 FT %). Foram 27 jogos com duplos dígitos, desses 18 jogos foram com 20 ou + pontos. Uma jogadora que demonstrou sempre muita capacidade, assumiu o protagonismo em Arkansas e tornou-se a jogadora referência da equipa. Era uma jogadora mais limitada nas suas ações ofensivas e nesta época cresceu muito, mostrou-se uma jogadora muito versátil ofensivamente e que nesta época mostrou mais habilidades. Foi claramente a jogadora que mais evoluiu neste draft.

Jasmine Walker

Uma jogadora que joga preferencialmente a 3. Uma época com 20.0 pontos e 9.9 ressaltos por jogo. Foram vários os jogos em que esteve em destaque, mas nesta épica conseguiu um máximo de 41 pontos num jogo. Foram 12 duplos-duplos esta época. Esta época registou em todos os jogos dois dígitos. Falamos da melhor atiradora deste draft, foi a jogadora em maior destaque a nível nacional na questão do tiro exterior. Uma jogadora que também cresceu muito este ano, melhorou na questão defensiva e é claramente tornou-se mais preponderante na manobra ofensiva da equipa.

Um draft cheio de futuras estrelas, muitos talentos, na verdade ficaram várias outras de fora que mereciam destaque, mas ficaram aqui as nossas escolhas para o draft deste dia 15.